Guerra dos Consoles Sega Vs Nintendo

Se você viveu no início dos anos 90 até meados de 1998, é bem provável que tenha presenciado a mais fantástica competição já travada na indústria dos videogames. Essa competição é aquilo que ficou conhecido como A Guerra dos Consoles. Esse vídeo vai tratar de maneira breve sobre a competição entre duas gigantes dos jogos eletrônicos da primeira metade da década de 1990. Para ser mais exato, uma das competidoras ao posto de gigante, até então, não era tão gigante assim, tendo pouco protagonismo na indústria de consoles domésticos. A outra já bem consolidada em seu posto viu sua suposta soberania ser abalada em pouco tempo. Então, embarque nessa incrível viagem ao passado. Vamos reviver alguns dos mais marcantes acontecimentos da indústria dos videogames, que moldaram e ditaram o rumo dos acontecimentos até os dias atuais.

Nos Estados Unidos, o Mega Drive crescia e recebia excelentes conversões dos arcades. Já a Nintendo continua buscando liderar o mercado com o defasado Nintendinho. Isso seria possível caso o Mega Drive ficasse apenas no Japão. Esse grande erro estratégico da Nintendo, ao pensar que seu console de 8-bits sobreviveria à nova realidade, fez com que o Super Famicom demorasse e chegasse dois anos depois do Mega Drive. Na América, os games de esportes e ação do Gênesis começam a se destacar para um público mais crescido. Enquanto isso no Japão, Kalinske visita as instalações da Sega e conhece os revolucionários aparelhos Mega Drive e a promessa Game Gear, que segundo Nakayama, tinham potencial de virar o mercado. Ele recebe carta branca para fazer do seu jeito, e implantar as estratégias necessárias para fazer do Sega Genesis um verdadeiro sucesso no ocidente. Agora cabe a ele trabalhar junto a sua equipe e traçar os planos a médio e longo prazo para fazer do 16 bits da Sega o mais popular e conhecido console de videogame da américa. Como isso seria feito?

Agora vamos ver mais detalhes sobre esse novo jogo e seus criadores, Yuji Naka e Naoto Oshima. Então, aperte os cintos e, vamos lá!